D

e acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), uma mulher morre a cada dois minutos devido a complicações decorrentes do parto ou da gravidez. Embora o Brasil tenha diminuído em 58% a quantidade de mortes maternas entre 1990 e 2015, o número ainda é bastante alto. Hoje o país registra 60 óbitos para cada 100 mil nascidos vivos, que acontecem principalmente pela má qualidade da assistência no pré-natal e parto.

Leia também: Mortalidade materna

O que é morte materna?

Segundo a Classificação Internacional de Doenças (CID), são categorizados como morte materna os óbitos que ocorrem devido a doenças obstétricas ou doenças preexistentes.

"[...] é a morte de uma mulher durante a gestação ou dentro de um período de 42 dias após o término da gestação, independentemente da duração ou localização da gravidez ou por medidas tomadas em relação a ela, porém não devida a causas acidentais ou incidentais".

Principais causas da morte materna

O óbito de mulheres durante ou após a gestação é motivado principalmente pela baixa qualidade de vida e assistência precária durante o pré-natal e parto, condições sociais que tendem a se agravar em regiões subdesenvolvidas.

Segundo o professor Fábio Cabar, responsável pelos conteúdos de Ginecologia e Obstetrícia na Medcel, existem três principais causas da morte materna: síndromes hipertensivas, síndromes hemorrágicas e infecções.

Essa informação está disponível em uma de nossas playlists no youtube com dicas para a prova de Residência Médica. Confira mais no canal da Medcel no YouTube.

Síndromes hipertensivas

A identificação de grupos de risco e o diagnóstico rápido desta síndrome são fundamentais para evitar complicações na gravidez. Existem quatro tipos de hipertensão que podem afetar a gestante:

  • Hipertensão arterial crônica;
  • Pré-eclâmpsia/eclampsia;
  • Hipertensão arterial crônica superposta por pré-eclâmpsia;
  • Hipertensão gestacional.

Alguns fatores que podem agravar essa condição e levar a mulher a óbito são:

  • Carência de prevenção adequada;
  • Atraso no acesso ao serviço de saúde e marcação de consulta;
  • Falta de pré-natal diferencial;
  • Dificuldade na adesão e monitoração do tratamento;
  • Demora na identificação dos fatores de gravidade e na interrupção da gestação.

Síndromes Hemorrágicas

A precariedade no atendimento durante o parto e pós-parto constitui a maior causa de morte por síndromes hemorrágicas. Problemas ligados à placenta, como descolamento de placenta e acretismo placentário, representam outro fator que pode provocar hemorragia. A ruptura uterina é outra complicação possível de sangramento grave, podendo acontecer em qualquer momento da gestação.

Infecções

A infecção puerperal é uma das principais causas da mortalidade entre mulheres no período pós-parto. A doença atinge o aparelho genital feminino e pode ser causada tanto por agentes de fonte endógena (bactérias Escherichia coli e Streptococcus faecalis) quanto exógena (bactéria anaeróbica Clostridium sp.). O diagnóstico rápido da condição é fundamental para evitar os óbitos maternos.

Residência em Ginecologia e Obstetrícia

Com um elevado nível de dificuldade, os acadêmicos e médicos que desejam se especializar nesta área precisam ter um cuidado especial com a preparação para a prova de Residência Médica. Para ajudar quem está nesse processo, nós criamos um curso especial, com conteúdos selecionados de acordo com a incidência dos temas nas provas dos últimos cinco anos e professores qualificados. Conheça o curso preparatório de Residência Médica da Medcel.

Saiba mais: Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia

Postado em
19/12/17
na categoria
R1

Mais sobre 

R1

ver tudo