P

or conta de vários fatores, como alta competitividade, vontade de morar fora e razões financeiras, muitos optam por fazer o curso de Medicina fora do país. Mas algo que a grande maioria compartilha é o desejo de voltar para o Brasil tão logo o diploma esteja em mãos.

Porém, para, de fato, atuar no país como médico, é necessário ter CRM – registro que é adquirido pelo estudante ao se formar em instituições brasileiras. 

Mas, calma. Existe uma forma de conseguir o CRM caso você tenha se formado no exterior, e esta forma é o Revalida.

Muitos acabam achando que o Revalida é exclusivo para médicos estrangeiros – o que não é verdade. O Revalida existe para entender se aquele médico – brasileiro ou estrangeiro – está apto a exercer Medicina no Brasil. Para isso, o candidato deve estar sempre atento aos editais para realizar o exame e, caso tudo dê certo, ser aprovado e poder exercer a profissão no Brasil.

O processo de revalidação do diploma médico é bem complexo, feito por meio de uma avaliação de conhecimento, dividida em etapas. Vamos te contar a seguir os principais pontos que você precisa saber sobre o Revalida para conseguir revalidar o seu diploma.

O que é o Revalida?

Criado em 2010, e instituído oficialmente em 2011, o Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeira (Revalida), tem o objetivo de verificar as habilidades, conhecimentos e competências dos médicos com diplomas expedidos por instituições superiores estrangeiras e que queiram atuar no Brasil.

Brasileiro ou estrangeiro, todo médico que tem sua formação expedida fora do Brasil precisa revalidar o seu diploma. 

Para isso, você precisa se inscrever no programa Revalida e passar por algumas etapas, como entrega de documentos, leitura de histórico escolar, provas, pagamento de taxas, etc. 

As provas são realizadas em duas etapas, sendo uma teórica e uma prática, e, após a aprovação, o candidato deverá validar seu diploma em uma das universidades conveniadas.

Porque é necessário revalidar o diploma médico para trabalhar no Brasil?

A revalidação é necessária para se verificar a aquisição de conhecimento e competências pelo profissional formado no exterior, a fim de garantir a equivalência do que é exigido dos médicos graduados nas instituições brasileiras.

Só assim é possível garantir que esses profissionais atendam às necessidades do Sistema de Saúde do Brasil, o SUS.

Saiba mais: O que é necessário para ter um CRM médico?

O Novo Revalida

Entre os anos de 2017 e 2019 houve uma pausa na aplicação do Revalida. Contudo, diante da grande demanda de profissionais interessados em revalidar seu diploma para atuar no Brasil, bem como a necessidade de ter mais profissionais atuando em nosso país, o exame foi retomado com alterações importantes.

Em 2019 a Lei 13.959 instituiu o Novo Revalida, com os seguintes destaques:

O exame, que anteriormente era previsto para ser realizado somente uma vez ao ano, passou a ser aplicado semestralmente, devendo o edital ser publicado em até 60 dias antes da data de aplicação da primeira etapa.

Além disso, o candidato que for reprovado na segunda etapa, permanecerá habilitado para realizar a segunda etapa dos dois exames seguintes. Ou seja, o aluno poderá fazer a segunda etapa do processo mais de uma vez, sem a necessidade de realizar novamente a primeira etapa.

Outra mudança importante é quem organiza o processo. O Revalida deixou de ser da competência do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) e passou a ficar a cargo da Secretaria de Educação Superior (SESU), com colaboração do Conselho Federal de Medicina (CFM). 

Baixe agora nosso E-book sobre o Novo Revalida

Quem pode se inscrever para a prova?

Podem participar do Revalida todo(a) médico(a) brasileiro(a) ou estrangeiro(a) em situação de residência legal no Brasil, que apresente, no ato da inscrição, imagens do diploma (frente e verso), como solicitado pelo sistema.

O diploma médico deve ter sido expedido por instituição de ensino superior estrangeira, reconhecida no país de origem pelo seu Ministério da Educação ou órgão equivalente, e autenticado pela autoridade consular brasileira ou pelo processo de Apostilamento da Haia.

É necessário também ter registro no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) emitido pela Receita Federal do Brasil. 

Quais as provas de revalidação existem no Brasil?

Atualmente existem três exames de revalidação em nosso país, sendo eles o Revalida realizado pelo INEP, o exame de revalidação da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT) e o mais recente deles, que é realizado pela Universidade de Gurupi (UNIRG).

Os exames de revalidação são gratuitos?

Para realizar os exames é necessário realizar o pagamento da taxa de inscrição e é importante ficar atento aos prazos e valores para que você não seja pego de surpresa.

De acordo com os dados disponíveis no site do Governo Federal, referentes ao Revalida Inep de 2022, para a realização da prova do Inep, por exemplo, a taxa de inscrição para a prova teórica foi de R$330,00, e caso aprovado, o candidato deveria pagar uma taxa de  R$3.330,00 para realizar a prova prática de habilidades clínicas.

Conforme dados obtidos em 2021, para realizar a primeira etapa do processo de revalidação via UFMT, o valor da inscrição para a etapa de análise de documentos estava em R$ 711,60. Caso aprovado, o candidato deveria efetuar o pagamento de uma nova taxa no valor de R$1.067,40 para a realização da prova teórica e prática.

Já para o processo realizado pela UNIRG o candidato deverá pagar uma taxa de inscrição no valor de R $3.500,00, conforme previsto no edital.

Leia também: Vale a pena fazer medicina no exterior? 

Como são as etapas para a revalidação do diploma?

Cada processo seletivo tem as suas particularidades e é importante conferir o edital de cada um, mas, em linhas gerais, eles seguem os mesmos princípios.

É realizada a solicitação de alguns documentos e conferência dos mesmos, uma prova teórica, e uma prova prática de habilidades clínicas, e complementação caso o candidato seja reprovado na prova prática.

As provas

As provas abrangem conteúdos das cinco grandes áreas da Medicina: Clínica Médica, Cirurgia, Ginecologia e Obstetrícia, Pediatria, Medicina da Família e Comunitária/Saúde Pública.

E também há uma fase prática, avaliada por uma banca examinadora, que afere três grandes competências exercidas pelo aluno: habilidade de comunicação, raciocínio clínico e tomada de decisões.

O que devo esperar da prova teórica?

Inicialmente é importante reforçar que a prova teórica possui caráter eliminatório em todos os exames aqui mencionados.

Apesar do conteúdo das provas abranger de forma similar as principais temáticas da medicina, a estrutura das provas se diferem, veja só:

  • Revalida INEP: A prova é composta por 100 questões de múltipla escolha (P1) e 5 questões discursivas (P2);
  • Revalidação pela UFMT: A prova contém 50 questões de múltipla escolha e 10 questões discursivas;
  • Revalidação pela UNIRG: A prova teórica será composta por 50 questões objetivas, de múltipla escolha.

Os assuntos mais recorrentes da prova escrita são aqueles relacionados à rotina de um médico na Atenção Primária à Saúde (APS). Por se tratar de um exame que reconhece e prepara os médicos formados no exterior para atuação no Brasil, os temas mais frequentes são doenças crônicas, pré-natal, calendário vacinal, puericultura e saúde da família, entre outros.

Como é a prova prática do Revalida?

Os requisitos para participação na 2ª Etapa do Revalida é o mesmo da primeira fase, porém o candidato precisa ter sido aprovado na 1ª Etapa do Revalida

Pelo menos até o momento, a prova de habilidades clínicas possui um formato similar em todos os processos seletivos. Como ela tem como objetivo avaliar as habilidades clínicas do candidato, ela é estruturada em um conjunto de 10 (dez) estações, em que o participante passará por uma avaliação que envolve apresentação de casos e simulação. 

‍Ao todo, serão 10 minutos por estação e os candidatos serão avaliados por uma comissão, devendo ser preenchido todo um checklist do atendimento - que inclusive deve ser praticado com afinco durante o estudo para a fase prática.

Nessa etapa, são avaliados todos os conhecimentos e habilidades adquiridas pelos médicos ao longo de seus estudos, e a avaliação começa desde a apresentação do médico, até o encerramento de todo o atendimento.

Caso seja reprovado, o candidato poderá passar por uma etapa de complementação de aprendizagem para tentar novamente a aprovação.

Leia também: O que estudar para a segunda fase do Revalida?

E após a aprovação, o que fazer?

Depois de aprovado nos testes, é realizada a validação do diploma, conforme indicativo no edital.

É importante verificar sempre com antecedência quais os demais documentos que deverão ser apresentados para a Universidade que irá validar seu diploma aqui no país.

No caso da prova do Revalida INEP, conforme disposto no site do Governo Federal, “os aprovados na segunda etapa devem apresentar, à universidade parceira escolhida para revalidação do diploma, a documentação exigida em suas instruções internas, como documentos pessoais e acadêmicos”.

Veja a história do Prof. Carlos Carlomagno, que também passou pelo processo de revalidação do diploma médico!

Como me preparar?

O ideal é que mesmo sem edital aberto, você já comece a se preparar para a prova. Isso porque a prova irá cobrar dos candidatos muitos conteúdos que, geralmente, não são cobrados nas instituições no exterior – como casos de doenças específicas da nossa região.

Continue lendo: Qual o melhor método de estudo para a prova do Revalida?

Estude muito!

Falamos muito sobre os pontos burocráticos da preparação para a revalidação de seu diploma, mas existe um ponto que é fundamental nesse processo e precisa de muita atenção: os estudos.

As provas de revalidação não são fáceis, e é necessário que o candidato tenha muita dedicação no processo de preparação para as mesmas.

Postado em
16/6/22
na categoria
Revalida

Mais sobre 

Revalida

ver tudo