L

úpus eritematoso sistêmico (LES) ou, simplesmente, lúpus, é uma doença inflamatória autoimune, sem cura, que pode ocorrer em qualquer idade e acomete, na maior parte das vezes, as mulheres. A manifestação do problema pode se dar tanto de forma progressiva quanto repentina. No primeiro caso, a fase de desenvolvimento até a manifestação pode levar vários meses. Outra característica do lúpus é que ele se apresenta em fases, que variam entre atividade e remissão. Quando em atividade, o paciente pode apresentar febre, dor nas articulações, inapetência, fraqueza, desânimo, manchas eritematosas na pele, quadro inflamatório em diferentes órgãos, inflamação pleural, hipertensão e problemas renais.

Assim como não há cura para a doença, não há um exame que faça o diagnóstico específico de LES. Por isso, é essencial que o médico conheça os sintomas e faça uma ampla investigação clínica do paciente, além de solicitar exames de sangue, de urina e FAN (fator ou anticorpo nuclear), que poderão dar apoio ao diagnóstico, segundo a Sociedade Brasileira de Reumatologia.

Reconhecendo os sinais de lúpus eritematoso sistêmico

A diversidade de sintomas provocados pelo LES pode dificultar o diagnóstico do problema. Assim sendo, reconhecer as formas de manifestações clínicas da doença inflamatória, principalmente quando está em fase de atividade, pode contribuir para evitar o sofrimento do paciente. A seguir, listamos algumas delas:

Lesões de pele – costumam ocorrer em 80% dos pacientes e surgem principalmente nas maçãs do rosto e dorso do nariz, o que as faz receber o nome de “lesões em asas de borboleta”. Pode haver ainda, hipervascularização de áreas mais expostas à luz, como colo, orelhas, braços, e hipersensibilidade à luz solar. 

Dor articular – atinge mais de 90% das pessoas com LES e pode ser acompanhada de inchaços presentes em regiões como punhos, joelhos, tornozelos, pés e juntas das mãos.

Dor no peito – pode ocorrer em razão de inflamações no pulmão ou no coração. No primeiro caso, a dor pode vir acompanhada de tosse seca e falta de ar, já no segundo, pode ocorrer palpitação e falta de ar.

Nefrite – a inflamação dos rins chega a atingir metade dos pacientes com LES e, inicialmente, só pode ser observada via exames de urina e/ou sangue. Os sintomas, por sua vez, quando surgem indicam sinal de gravidade do problema e se manifestam em forma de inchaço nas pernas, hipertensão e urina espumosa

Anemia, leucopenia ou linfopenia – pode haver alterações nas séries vermelha e branca, de acordo com a ação dos anticorpos. Em geral, a redução dos glóbulos brancos é assintomática nesses casos, mas a dos glóbulos vermelhos pode levar a quadros que vão desde sangramento gengival até hemorragia menstrual.

Leia também: Residência médica na prática: febre reumática

Abordagens convencionais e avanços no tratamento de LES

É fundamental saber que o tratamento do paciente com lúpus eritematoso sistêmico deve ser individualizado e o médico reumatologista deverá sempre considerar os efeitos colaterais da abordagem terapêutica escolhida, que pode considerar o uso de corticoesteroides, anti-inflamatórios não esteróides e imunossupressores – esses últimos podem elevar o risco de infecções.

Contudo, o uso desses medicamentos, que muitas vezes pode ser combinado, pode gerar uma série de efeitos colaterais indesejados, principalmente quando esse uso é prolongado. Sendo assim, o controle da terapia e eventuais alterações na associação medicamentosa podem beneficiar muito o paciente.

Vale ainda reforçar que, apesar de eventuais inconvenientes, o paciente deve compreender a relevância do tratamento para melhora da qualidade de vida a partir da estabilização da doença, o que reduz significativamente as fases ativas.

Avanços no tratamento

Medicamentos biológicos como o belimumabe e o rituximabe (off-label) têm sido utilizados em pacientes com LES a fim de obter um melhor controle da doença quando a resposta aos imunossupressores não é a desejada. O belimumabe é um anticorpo monoclonal que age diretamente sobre as células B, estimulando-as a produzirem anticorpos, uma vez que essa atividade é alterada em pessoas com lúpus.

Em uma série de entrevistas sobre avanços no tratamento de LES e seus impactos para os pacientes, produzida pelo portal Rheumatology Network, especialistas debateram ainda o uso do anifrolumabe, desenvolvido a partir de estudos genômicos, e em fase de testes clínicos nos Estados Unidos. A expectativa é de que o medicamento, que até então tem agido de forma positiva nas manifestações de pele de LES, possa ser usado em ciclos de terapia intercalado com a ação do belimumabe, por exemplo.

Tem interesse na área de reumatologia?
Com a Medcel você fica mais próximo de se tornar um especialista com o curso Título de Especialista em Reumatologia Digital 2022. O curso é totalmente orientado para que você passe na prova da SBR, já que no período de um ano te prepara por meio dos temas que mais caem na prova de título. Faça o teste grátis por 7 dias.  

Precisa saber mais? Leia também: Título de Especialista em Reumatologia: qual a importância?

Postado em
na categoria
Notícias Médicas

Mais sobre 

Notícias Médicas

ver tudo