A

Dermatologia tem estado cada vez mais em evidência nos últimos anos, principalmente, por suas soluções estéticas. Afinal, o mercado de beleza e estética está em ascensão. Segundo pesquisa da Euromonitor International, o Brasil é o quarto maior mercado de beleza e cuidados pessoais do mundo. E, ainda de acordo com este provedor de pesquisa, no geral, beleza e cuidados pessoais foram um mercado mais resiliente do que outros durante a pandemia de Covid-19.

Porém, a Dermatologia não inclui apenas a medicina estética. Esta é uma especialidade que diagnostica e trata diversas doenças, como, por exemplo, câncer de pele, psoríase, púrpura fulminante e Síndrome de Steven-Johnson.

Por isso, reunimos aqui as últimas novidades na Dermatologia.

1. Novas tecnologias para tratamento de acne e rosácea

No Congresso de Dermatologistas realizado em Maui, no Havaí, em janeiro de 2022, Neal Bhatia, MD, diretor de Dermatologia clínica da Therapeutics Clinical Research em San Diego, Califórnia, falou sobre a importância da inovação e citou as novas tecnologias nos tratamentos de algumas doenças dermatológicas, como acne e rosácea.

Aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) em 2021, produtos encapsulados, como creme de peróxido de benzoíla encapsulado a 5% (E-BPO) (Epsolay; Sol-Gel Technologies Ltd) e Twyneo (Sol-Gel Technologies Ltd), uma combinação de tretinoína microencapsulada 0,1% e creme BPO 3% microencapsulado, forneceu opções de tratamento com maior tolerabilidade graças à liberação controlada de material encapsulado.

“A redução do tamanho das partículas oferece várias vantagens [no tratamento de acne e rosácea), incluindo melhora no contato entre o ingrediente ativo e a pele, aumento do número de partículas para cobrir uniformemente a pele”, afirmou Bhatia.

2. Mudança no tratamento da hanseníase

A hanseníase pode ser dividida em paucibacilar, quando o paciente apresenta até cinco lesões, ou multibacilar, quando apresenta mais de cinco lesões. Até 2021, o tratamento para combater as formas paucibacilares era diferente das formas multibacilares. Nas paucibacilares eram utilizadas a rifampicina e dapsona por seis meses para adultos e crianças. Já nas formas multibacilares eram utilizadas rifampicina, dapsona e clofazimina por 12 meses.

Em 2021, o Ministério da Saúde emitiu uma nota técnica com novo esquema de tratamento para a hanseníase, chamada poliquimioterapia única (PQT-U). De acordo com a nota técnica, tanto as formas paucibacilares quanto as multibacilares serão tratadas da mesma forma, com três medicamentos: rifampicina, clofazimina e dapsona, mantendo o tempo original do antigo tratamento (6 meses para as formas paucibacilares e 12 meses para as formas multibacilares).

No Brasil, cerca de 30 mil novos casos de hanseníase são detectados todos os anos, segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia.

3. Novidades em tratamentos corporais

Em outubro de 2022, aconteceu em São Paulo, o congresso Body On Top, que trata especificamente sobre tratamentos corporais médicos não invasivos. Nos últimos anos, houve avanços enormes nesta área para tratar celulite, flacidez, estrias e gordura localizada. Por isso, neste congresso foram apresentadas as últimas novidades e tendências.

Para estrias, se falou muito nos lasers de picossegundos, eletroporação, as plataformas pneumáticas e os drugs deliveries. Já em relação à celulite, que é multifatorial, falaram sobre a radiofrequência invasiva, a intradermoterapia e os preenchedores e bioestimuladores.

Mas lembrando que o tratamento sempre deve ser escolhido de forma individualizada pelo médico ao avaliar o paciente. No congresso, foi destacado também que o ganho de peso e o sedentarismo, que aumentaram na pandemia, trouxeram inovação para a indústria.

Leia também: Os 10 legados da COVID-19 para a medicina e a ligação com evolução tecnológica

4. Estudo indica melhores tratamentos para queda de cabelo em homens

Publicado em fevereiro de 2022 na revista JAMA Dermatology, um estudo analisou 23 pesquisas sobre o impacto na queda de cabelo masculino do uso de várias dosagens de três medicamentos orais e tópicos – minoxidil, dutasterida e finasterida – por dois a quatro meses.

A análise descobriu que tomar 5 miligramas por dia de dutasterida oral teve a maior probabilidade de reduzir a queda de cabelo dos homens. Porém, a dutasterida tem efeitos colaterais mais graves do que outros tratamentos, como perda do desejo sexual e capacidade de ter e manter uma ereção. Já tomar 5 miligramas por dia de finasterida oral ficou em segundo lugar em relação à em eficácia, de acordo com o estudo.

E, em terceiro lugar, segundo o estudo, o terceiro tratamento mais bem-sucedido foi uma pílula contendo 5 miligramas de minoxidil oral. Confira mais detalhes sobre o estudo aqui

Leia também: 5 tendências do futuro da medicina


5. Cientistas testam imunoterapia com ácaro para tratar dermatite atópica

Um estudo de pesquisadores da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP afirmou que um tratamento com extrato de ácaro apresentou bons resultados para reduzir os sintomas da dermatite atópica. O resultado do trabalho, apoiado pela FAPESP e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), foi publicado no Journal of Allergy and Clinical Immunology: in Practice.

Segundo o estudo, a “dermatite atópica (DA) é uma dermatose inflamatória crônica e recidivante, caracterizada por intenso prurido e lesões eczematosas recorrentes, cuja prevalência pode variar de 0,2% a 20%”. Além disso, a sensibilização aos ácaros da poeira doméstica é frequente em pacientes com dermatite atópica.

Por isso, os pesquisadores testaram os efeitos da imunoterapia com extrato de ácaro para combater a dermatite atópica. Eles estudaram os efeitos da imunoterapia aplicada em gotas sob a língua dos pacientes durante 18 meses. Depois desse período, de acordo com a pesquisa, a coceira e as lesões na pele diminuíram. Em alguns casos, quase desapareceram, e os efeitos colaterais foram raros.

Se você, estudante de Medicina, pensa em seguir a carreira em Dermatologia, vale destacar que a especialidade é de acesso direto na Residência Médica. Isso significa que não há necessidade de concluir uma residência prévia, como Clínica Médica, por exemplo.
Aqui na Medcel, além do curso preparatório para a Residência Médica, também oferecemos o curso para a prova de Título de Especialista. Acesse o nosso site e experimente a nossa plataforma de estudos por 7 dias gratuitos.

Postado em
5/2/22
na categoria
Especialidades médicas

Mais sobre 

Especialidades médicas

ver tudo